quinta-feira, 27 de maio de 2010

Alimente esta ideia!

Vai ser já no fim-de-semana de 29 e 30 de maio que o Banco Alimentar Contra a Fome (BACF) irá proceder a mais uma campanha de recolha de alimentos. Sob o lema "Por mais pequena que seja a sua contribuição, muitas pessoas beneficiam da sua ajuda" a campanha vai contar com o apoio de 28 mil voluntários em 1338 superfícies comerciais.

Os Bancos Alimentares Contra a Fome espalhados pelo país apelam mais uma vez para a generosidade de todos os portugueses numa altura em que a solidariedade é cada vez mais necessária.

Em simultâneo com a campanha tradicional de recolha decorre até 6 de Junho a campanha "Ajuda Vale". Em vez de sacos de plástico, são disponibilizados vales de produtos seleccionados.

Através desta nova modalidade, a associação espera conseguir chegar à quase totalidade das localidades do país. Também será possível deixar o seu donativo através da rede de pagamentos PayShop.

O desemprego e as crescentes dificuldades da economia portuguesa fizeram com que nos últimos anos muitas famílias procurem também a ajuda dos Bancos Alimentares.
video

Lisboa, Porto, Coimbra, Évora e Beja, Aveiro, Abrantes, S.Miguel, Setúbal, Cova da Beira, Leiria-Fátima, Oeste, Algarve, Portalegre, Braga, Santarém, Viseu e Viana do Castelo serão algumas das regiões onde irá encontrar voluntários dos Bancos Alimentares devidamente identificados que irão pedir o seu contributo.

Os Bancos Alimentares Contra a Fome apoiam 1.750 instituições de solidariedade, que concedem apoio alimentar a mais de 275 mil pessoas comprovadamente carenciadas. Só no ano passado foram distribuídas 23 mil toneladas de alimentos.

A Casa da Moeda, no âmbito do ano europeu contra a exclusão e pobreza social, vai lançar uma moeda comemorativa em homenagem ao Banco Alimentar Contra a Fome. A moeda que pode ser encontrada à venda na Casa da Moeda irá custar 5 euros. Um euro reverterá a favor do BACF e se a série de moedas esgotar representará uma ajuda extra de 100 mil euros para esta instituição de solidariedade.

Fonte: www.boasnoticias.pt

quarta-feira, 26 de maio de 2010

Só 33% dos beneficiários de RSI são empregáveis‏

JN

Só 33% dos beneficiários de RSI são empregáveis

As crianças, os idosos e os trabalhadores correspondem a 77% dos mais de 400 mil beneficiários do rendimento social de inserção (RSI). Apenas 33% são "empregáveis", o que, para o sociólogo Eduardo Vítor Rodrigues, revela a "hipocrisia" do debate político.

O "discurso populista" de ataque ao RSI é, a par da crise, um dos principais entraves ao sucesso da medida, que nasceu há 14 anos para combater a pobreza extrema. No momento em que muito se fala da obrigatoriedade dos beneficiários do RSI prestarem tributo à sociedade, os números clarificam que a exigência nem sequer seria aplicável à maioria das pessoas. Cada beneficiário recebe, em média, 89 euros por mês. Por família, o contributo médio é de 242 euros. Pelo menos em 31% dos casos, o subsídio serve para complementar um ordenado muito baixo.

"Estamos a perder tempo e a inventar medidas de tributo social, quando só 33% são empregáveis. Parte destas pessoas tem 'handicaps', como toxicodependência, problemas psíquicos, desqualificação ou desemprego de longa duração, que obstaculizam o acesso ao emprego. Estes dados frios mostram a hipocrisia do debate. E é penoso ver que a hipocrisia do debate colou bem nas representações sociais", sustenta Eduardo Vítor Rodrigues, professor e investigador da Faculdade de Letras da Universidade do Porto, cuja tese de doutoramento reflectiu sobre o Estado Providência e os processos de imobilização social dos beneficiários do RSI. A obra sobre a tese, intitulada "Escassos Caminhos" é apresentada, pelas 21 horas de amanhã, no anfiteatro nobre da Faculdade de Letras do Porto (FLUP).

O "brutal ataque" ao RSI agrava o estigma, dificulta a inserção social e conduz a uma burocratização exagerada da medida. "O que está a acontecer é um processo de estigmatização que afecta, de forma violentíssima, o beneficiário. Os empregadores acham que os beneficiários são malandros e não lhes dão emprego. Os políticos alimentam o estigma e as pessoas perdem a auto-estima", alerta. Em resposta, a Segurança Social exige relatórios e torna difícil o acesso ao RSI. Cada equipa multidisciplinar tem a seu cargo, no mínimo, 180 agregados. O acompanhamento próximo das famílias para diagnosticar e ajudar a resolver os problemas que travam a melhoria de vida é quase impossível.

Sem diagnóstico, não há ajuda

"Fruto da pressão social, as equipas estão a ser bombardeadas com relatórios. Têm de produzi-los de três em três meses. O acompanhamento técnico de proximidade está hipotecado pela carga burocrática", afiança o sociólogo.

Sem tempo para diagnósticos, receita-se aspirina a todos, negligenciando a heterogeneidade dos beneficiários. "O importante é descortinar as razões do imobilismo, que obstaculizam a empregabilidade", continua. A resposta é igual para todos: novos cursos, estágios e soma de carimbos. O problema de raiz fica por resolver.

Certo de que hoje a "carga do estigma é inultrapassável", Eduardo Vítor Rodrigues defende a reconfiguração da medida, que não pode continuar a ser encarada de forma dissociada do subsídio de desemprego. "Defendo a fusão do RSI e do subsídio de desemprego. Tem de haver interinstitucionalidade. É incompreensível que não exista hoje articulação institucional, até porque os técnicos de emprego sabem que o mais certo é que os desempregados caiam no RSI", conclui o investigador. Em todo o país, o distrito do Porto possui o maior número absoluto de beneficiários.

CARLA SOFIA LUZ

publicado a 2010-05-26 às 00:30

Para mais detalhes consulte:
http://www.jn.pt/PaginaInicial/Sociedade/Interior.aspx?content_id=1578282

domingo, 16 de maio de 2010

Campanha de Recolha de Alimentos em Supermercados

A próxima Campanha de Recolha de Alimentos em supermercados e superfícies comerciais realiza-se nos dias 28 e 29 de Novembro de 2009.

Se quiser ser Voluntário inscreva-se em

» Como Ajudar⁄Particulares

» Por telefone, para o Banco Alimentar da sua região

Em simultâneo, mas prolongando-se até 6 de Dezembro de 2009, terá lugar a Campanha "Ajuda Vale", que permite a recolha de alimentos sob a forma de vales que representam seis produtos básicos à alimentação. Esta modalidade de campanha, em que cada pessoa continua a decidir o que quer doar, permite uma simplificação dos procedimentos logísticos.

PARTICIPE NA CAMPANHA: ALIMENTE ESTA IDEIA !

Fonte: http://www.bancoalimentar.pt/

Seminário "Combate à Pobreza e Exclusão Social"


A Comissão Europeia assinalou o ano de 2010 como o Ano Europeu de Combate à Pobreza e à Exclusão Social.

Tendo em conta a importância desta temática, o Município de Ílhavo decidiu associar-se a esta iniciativa, dando o seu contributo para o reforço da participação de todos os segmentos da sociedade civil na luta contra a pobreza e a exclusão social, reflectindo sobre as intervenções mais convencionais e reinventando abordagens de acção nas redes de solidariedade já existentes, com vista a uma intervenção cada vez mais eficaz e sustentável.

Com este objectivo, o Conselho Local de Acção Social vai organizar um Seminário subordinado a esta temática, que terá lugar no próximo dia 28 de Maio de 2010, no Auditório do Museu Marítimo de Ílhavo.

Encontro Anual de Directores Técnicos de IPSS‏


No próximo dia 26 de Maio de 2010, na Quinta do Fidalgo - Batalha, terá lugar o já habitual Encontro Anual de Directores Técnicos de IPSS do Distrito de Leiria.


Intervenções Positivas: Psicologia e Psicoterapia Positivas no contexto da Intervenção Sistémica

O movimento da Psicologia Positiva tem crescido exponencialmente nas áreas de intervenção da educação, social, saúde, comunitária, bem como nas organizações. A sua linha de investigação tem vindo de encontro à abordagem sistémica, mais especificamente o Construcionismo Social. Urge efectivamente, nos múltiplos contextos em que operamos, desenvolver uma perspectiva orientada para as soluções e recursos, tornando-nos, enquanto profissionais, promotores de bem-estar individual, familiar e dos sistemas alargados. Desta forma poderemos intervir activamente na transformação de uma cultura centrada no défice para uma nova realidade focada nas possibilidades.

No sentido de enriquecer positivamente a nossa prática, e no âmbito de uma parceria com a APEIPP, convidámos a Dra Helena Águeda Marujo e o Dr Luís Miguel Neto, especialistas em Psicologia Positiva e Inquérito Apreciativo, que irão proporcionar uma acção de formação com cariz muito prático e experiencial. Os participantes terão a oportunidade de apreender e/ou solidificar estratégias inerentes às Intervenções Positivas.

Lisboa, 22 e 29 de Maio, 5 e 12 de Junho de 2010

Mais informações e Inscrições: http://www.formacaosistemica.com/intervencoes-positivas

Win In Cap Nazaré


CERCINA, Cooperativa para a Educação e Reabilitação de Crianças Inadaptadas, sediada na Nazaré, tem vindo a promover o desporto adaptado na criança e jovem com deficiência. Recentemente abraçou o projecto europeu de acessibilidade náutica “Wind In Cap - Sul”.

O “Wind In Cap” é um projecto que conta com a participação de mais de 1000 pessoas, adultos ou crianças com deficiência que irão partir numa aventura a “Volta pela Europa à Vela”, num Catamarã adaptado.

A Cercina abraçou este projecto e entre os dias 17 a 21 de Maio irá realizar na Nazaré um grande evento marítimo.

Durante cinco dias toda a população poderá velejar num catamarã ou num barco de Classe Acess, fazer canoagem, iniciar a experiência do Surf, participar em jogos desportivos ou então assistir a um seminário sobre acessibilidades.

Os passeios de Catamarã, passarão a ter dois turnos (10h às 13h e das 14h às 17h) e têm um custo de 5.00€/ viagem.

Esta iniciativa tem como principal objectivo a integração das pessoas com deficiência, com algumas dificuldades motoras ou físicas, na sociedade.

Espera-se ainda que todos os participantes verifiquem e fiquem sensibilizados para a força de vontade que um portador de deficiência participa na vida activa.